terça-feira, 31 de março de 2015

Emagreça e fique sarada: conheça as dicas da Juliana Crisóstomo

Conheça o método Fórmula 47, voltado para a queima de gordura corporal e construção de massa muscular. Clique aqui.

Só emagrecer? Não, ela também decidiu ficar sarada! E olha onde ela chegou:


Créditos: página Só Magra não: Sarada!
Uma mulher pesando 83 kg é considerada gorda? Se você não pensar duas vezes, é bem provável que a sua primeira reação seja responder um sonoro “não” ou pensar que a mulher em questão está apenas “gordinha”. Mas tudo depende da estatura dessa mulher. No caso da Juliana Crisóstomo, ela tinha 83 kg distribuídos em apenas 1,57m de altura. Isso a deixava pertinho de atingir o estágio de obesidade severa, de acordo com o IMC.

A decisão de mudar
A Juliana foi engordando aos poucos, num período em que se afastou do trabalho e passava muito tempo em casa. “Foi muito dura a realidade quando encarei a balança depois de muito tempo de sedentarismo e alimentação errada”. 

Com a saúde e a autoestima abaladas, ela se rendeu à sibutramina, um inibidor de apetite que foi receitado pelo seu endocrinologista. Mas logo Juliana percebeu que havia uma saída muito melhor e duradoura que medicamentos: a reeducação alimentar, junto das atividades físicas que ela sempre gostou. Assim, ela largou o remédio.


Magra, não. Sarada!
Créditos: página Só Magra não: Sarada!
Só que Juliana Crisóstomo tem um último segredo. Ela conta uma equipe de vigilantes 24 horas: eles dão dicas, motivam, puxam a orelha e acompanham todo o processo de Juliana. Eu não estou falando de uma super equipe de nutricionistas e personal trainers, mas sim de um grupo fiel de mais de 40.000 leitores, que acompanham Juliana pela sua página no Facebook “Só magra não: Sarada” (clique aqui para conferir).

A página mostra toda a evolução de Juliana desde o início – e de lá para cá foram 15 kg perdidos. E, como o nome “Magra não: Sarada” deixa bem claro, emagrecer não é o único objetivo, mas também modelar o corpo com a construção de muitos músculos. Nessa entrevista, a Juliana mostra como é o desafio de perder gordura e ganhar massa magra simultaneamente:

Entrevista
No período em que você se afastou do trabalho, engordou até chegar aos 83,3 kg. Como você chegou a esse peso? Como era seu estilo de vida?
 Essa época eu me afastei do trabalho porque fui diagnosticada com depressão e me afastei para fazer tratamento. Por causa da doença e também do ócio, acabei passando muito tempo em casa comendo e beliscando o tempo todo. E como forma de me animar, meu esposo também me chamava muito para comer fora. E os nossos programas sempre envolviam lanches, pizzas, sorvetes e muitos outros alimentos calóricos. Também não sentia ânimo para fazer nenhuma atividade física, queria apenas dormir e ficar deitada por longas horas no sofá, assistindo filmes e comendo.

Como reagiu ao descobrir que estava com 83,3 kg? Esse peso impactou sua autoestima? 
Foi muito dura a realidade quando encarei a balança depois de muito tempo de sedentarismo e de alimentação incorreta. Como meu pai sempre foi gordinho e pesava 83 kg, eu me vi muito gorda, com os braços roliços e enormes, o rosto redondo. As pernas sempre roçavam quando eu andava e nenhuma das roupas que eu usava para trabalhar me serviam quando voltei ao trabalho. Isso foi muito frustrante, mas consegui ser forte o suficiente para lutar e não me deixei vencer pela obesidade e pela depressão.


Créditos: página Só Magra não: Sarada!
Sua saúde em geral também foi influenciada pela obesidade grau I?
Sim. Na época cheguei a inventar que meu colesterol estava alto para que meu esposo e minha mãe pegassem no meu pé e não me deixassem comer besteiras. Mas, ao fazer exames médicos de rotina, fiquei chocada ao saber que eu realmente estava com colesterol alto. Também ficava muito ofegante ao subir as escadas no trabalho e também nos primeiros dias em que voltei a praticar atividade física.

Ao procurar um endocrinologista, você conta que ele lhe receitou a sibutramina. Como você se sentiu enquanto tomava o remédio? Acredita que o emagrecimento com medicamentos é a melhor saída? Por que preferiu buscar a reeducação alimentar?
Eu estava desesperada e queria uma saída rápida. Sabia que a sibutramina não era o melhor caminho, mas era o mais curto. Tive efeitos colaterais muito ruins e decidi que não queria emagrecer a base de medicamentos. Eu queria emagrecer de forma saudável e duradoura. Então eu escolhi fazer o método mais lento, porém melhor. Não indico a ninguém o uso de qualquer medicamento emagrecedor, acredito que o que vem muito rápido e sem muito esforço, vai-se embora do mesmo modo.

Quais foram os novos hábitos que você adquiriu com o início de sua reeducação alimentar? Como sua dieta mudou? A reeducação é um processo difícil?
A reeducação alimentar é um processo fácil quando a gente entende os benefícios que ela trará. A reeducação alimentar não nos deixa passar fome e nos faz cada dia mais saudáveis. É um verdadeiro prazer reeducar a nossa alimentação, porque sabemos que o processo depende apenas da nossa força de vontade e criatividade. Muitas pessoas não gostam de alimentos integrais e grelhados porque acreditam que perdem o sabor, mas é tudo questão de criar novos temperos e receitas para a reeducação se tornar prazerosa.

A minha dieta mudou muito. Eu parei de comer lanches com a frequência que comia (eu chegava a fazer lanches muito pesados até 4 vezes por semana). Abandonei as frituras quase que 100%. Também comecei a comer mais verduras e legumes, que hoje são minhas paixões. Ainda cultivo o hábito de ingerir coisas que não são tão saudáveis como refrigerantes zero, mas estou cada dia mais livre do hábito. Decidi que seria melhor mudar minha alimentação aos poucos e manter as mudanças por mais tempo do que mudar drasticamente e correr o risco de não conseguir seguir o novo estilo de vida por muito tempo.

Como foi sua volta à academia? Como os exercícios físicos te ajudaram?
Créditos: página Só Magra não: Sarada!
A volta foi cheia de desafios. Comecei a acordar antes das 5h da manhã, o que foi a batalha mais difícil, para poder treinar antes do trabalho e ter mais disposição durante o dia todo. Também passei por constrangimento ao enfrentar os olhares das pessoas que me conheciam na academia e reparavam no tanto que eu havia engordado. Mas nada disso me abalou. Eu ia, fazia meu treino e ia embora. Essa era a regra. Os exercícios me ajudaram muito, principalmente ao deixar meu corpo mais forte com a musculação. Fortaleci ligamentos, tendões, ossos e músculos e isso me ajudou muito a superar as fadigas e falta de ar. A prática de exercício físico também me auxiliou na perda de peso e quanto menos eu pesava a cada semana, mais queria investir pesado nos treinos.

Muitas pessoas têm dificuldade em ganhar massa muscular e perder gordura ao mesmo tempo. Como você conciliou essas duas coisas?
Eu optei por priorizar a musculação desde o início. Eu treinava pesado, com muita carga, mesmo estando obesa. Na alimentação, eu procurava fazer pouca ingestão de carboidratos para tentar perder mais gordura e aumentava a ingestão de alimentos proteicos. Só que eu não tinha nutricionista para me auxiliar na época. Realmente é difícil ganhar massa magra e perder gordura ao mesmo tempo. O meu resultado foi lento, porém fui modelando o corpo aos poucos, não sei até que ponto eu perdia gordura ou ganhava massa muscular porque não fiz avaliações físicas no começo, sabia apenas que meu corpo estava mudando para melhor e que eu não estava ficando com flacidez conforme ia perdendo peso. E tudo isso foi graças à musculação.

Como a página “Só magra não: sarada!” te ajudou a emagrecer? Compartilhar o seu processo no Facebook te motivou?
Foi o divisor de águas. Eu criei a página no dia em que resolvi mudar. E ela me ajudou e me ajuda demais. Ao mesmo tempo que me motiva a mostrar cada vez mais resultados, me motiva ver o tanto que outras pessoas são influenciadas pela minha história e pelo dia a dia que posto na página. Minhas leitoras me dão dicas também, puxão de orelha, me mandam suas evoluções e me dizem todos os dias o tanto que a página faz diferença na vida delas, e isso só me motiva a ser melhor cada dia mais. Não sei se eu teria chegado tão longe sem a página, provavelmente não. Parece que quando ninguém está olhando a gente tende a relaxar mais, então eu tenho mais de 40 mil pessoas observando os meus passos. É muita responsabilidade e eu amo tudo isso, é o que me faz continuar a cada dia.

Qual é a dica que você dá para quem quer emagrecer e ganhar massa muscular, mas está desmotivado?
O meu lema é: "não importa o tempo que se leva, mas sim o resultado que se alcança". Muitas pessoas tendem a desistir no meio do processo porque querem resultados em pouco tempo. Quando o resultado é aquém do esperado, elas tendem a desistir achando que não há jeito de emagrecer e de alcançar suas metas. E eu aprendo isso dia após dia. Minha trajetória completará dois anos nesta sexta-feira (dia 03/04) e eu ainda não alcancei minha meta final que são 60 kg. Mas isso não me desanima, pelo contrário. Cada pequena conquista me anima ainda mais para buscar minha meta e é isso que eu tento passar para minhas leitoras. A chave do emagrecimento é fazer a coisa certa todos os dias e esperar pacientemente pelos resultados irem aparecendo a cada semana, sem desistir. Foque no resultado que você quer, independentemente do tempo que levará para alcançá-lo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário