quinta-feira, 7 de maio de 2015

Coluna da Flavia: como manter a motivação na dieta?

Flavia, que emagreceu 33 kg, conta o que faz quando pensa em desistir. E a psicóloga Joice Lima dá dicas para você se manter firme no seu plano de emagrecimento!

Um pouco da minha história
Para quem não me conhece, me chamo Flavia Renata e vou escrever semanalmente para o Dietas Detox. Há 4 meses, eu pesava 117 quilos. Nem tenho muitas fotos daquela época: eu fugia das câmeras. Hoje, já peso 84 kg e a sensação de comparar as fotos antigas com as atuais é tão gostosa que eu até me emociono.

Vejo, em imagens como essas aí de cima, toda a minha trajetória: cada lágrima de quando pensei em desistir e todo o meu sacrifício. E é nessas horas que eu vejo o quanto vale a pena o processo de reeducação alimentar.

Sim, reeducação alimentar! Quando eu digo que emagreci 33 quilos em pouco mais de 4 meses, a reação das pessoas costuma ser de desconfiança. "Tomou remédios?" ou "Flavia, você fez a bariátrica?", elas perguntam. E, quando eu digo que segui apenas uma reeducação alimentar com muito exercício físico, elas ficam espantadas.


Sim, eu já pensei em desistir!
Pois é. O emagrecimento foi rápido, mas em algumas vezes em que pensei em desistir. É impossível evitar esses pensamentos. Pode anotar: na hora de emagrecer, você terá que fazer reeducação alimentar e atividade física. Só que essa reeducação alimentar sempre virá cheia de altos e baixos.

E, por isso, eu digo: o principal inimigo será o seu psicológico. Basta um segundo de fragilidade para que o nosso alicerce seja balançado. Por isso, é preciso estar focada o tempo inteiro! Você tem que estar preparada para os momentos de desânimo.

Como manter o foco? Se você decidiu mudar o seu corpo e está na luta por mais saúde, você terá que conquistar a sua própria mente e aprender a mudá-la. Quer um exemplo? Os momentos em que pensei em desistir foram por problemas pessoais, dificuldades ou por pura ansiedade.

Como eu fiquei firme na reeducação
Mas o que eu fiz nessas horas? Eu respirei fundo, parei e refleti. Pensei em tudo o que eu fiz para chegar até aquele momento. Digo para mim mesma: "Não, eu não vou aceitar o sobrepeso ou a obesidade na minha vida! Se cheguei até aqui, eu vou até o fim".

Outra coisa que me ajudou pra caramba foi buscar as histórias daqueles como emagreceram. Tem algumas aqui, no blog: é só clicar aqui para ler. Elas são uma fonte de inspiração olhar para aqueles que já conseguiram. Isso me enche de pensamentos positivos. Acabo conhecendo algo novo: uma receita para preparar, um novo exercício físico. Trazer novidades para o seu projeto de emagrecimento dá uma motivação incrível.

Importante: não deixe de sonhar. Esqueça as dificuldades por alguns momentos, se olhe no espelho e veja que você ainda pode cumprir as metas que você estabeleceu. Se outros conseguiram, por que você não conseguiria (por isso é tão legal conferir as histórias de superação de outras pessoas!). Imagine-se linda no final dessa batalha que você terá que travar contra você mesma. Isso faz com que qualquer pensamento negativo fuja da minha mente.




Palavra da psicóloga Joice Lima*

É normal desanimar durante a reeducação alimentar?
Sim. Isso acontece porque as pessoas tem a "ilusão" do corpo ideal. Com isso, elas acabam buscando informações sem fundamento científico. Na prática clínica, percebo que as pessoas querem emagrecer rápido sem dar importância para a própria saúde. Geralmente, aquelas que buscam informações mais sérias são aquelas que já estão com sua saúde comprometida.

Como o psicólogo pode ajudar o paciente que quer emagrecer?
O psicólogo vai ajudar este paciente a fazer com que ele entenda como funciona seu cérebro. Em seu trabalho, o psicólogo leva em conta a rotina diária do paciente: como é sua alimentação, qual é a sua meta, como é a estratégia para emagrecer, entre outros.

Algumas pessoas começam uma reeducação alimentar, mas não emagrecem ou emagrecem muito pouco. Quais são algumas das razões psicológicas para isso?
Sim, é verdade que algumas pessoas tem maior dificuldade em emagrecer. É importante levar em conta sua história clínica e verificar se existe algum tipo de transtorno psicológico que está impedindo o emagrecimento. Por exemplo: se o paciente sofre de ansiedade, a dieta não ajudará muito. O paciente poderá até perder peso, mas se ela não aprender a controlar suas emoções e sentimentos, vai ter dificuldade para mantê-lo.

Que dicas você dá para manter a motivação durante a reeducação alimentar?
Eu percebo que quando as pessoas começam a fazer dietas, elas acabam estabelecendo metas irrealistas. Isso acaba gerando uma ansiedade. Resultado: no final ela acaba se frustrando por ter feito certinho e não conseguiu atingir seu peso.

Minha dica é: faça metas pequenas.Por exemplo: se você deseja emagrecer 15 quilos, faça metas de 3 e 3 quilos. Você vencerá várias etapas, mostrando que é possível chegar ao objetivo final. Essa atitude é motivadora e manterá você sempre dentro da proposta de chegar ao peso desejado.

*Conheça a psicóloga Joice Lima, clique aqui!

Nenhum comentário:

Postar um comentário